sábado, 31 de janeiro de 2015

Solidão: Vice Prefeita Dalva Oliveira, Diz Que a Prefeita Cida Lhe Persegue Politícamente.

A vice prefeita do município de Solidão no sertão do estado de PE, a senhora  Rosa Dalva de Oliveira, falou ao comunicador  da  Rádio Serra Linda  FM Girleno veras que está sofrendo perseguição política por parte da prefeita do município, segundo Dalva a prefeita  lhe pediu de volta uma  casa que lhe cedeu para funcionar como sede de uma associação  na qual Dalva é presidente  a 15 anos. Esta associação que tem o nome  Associação das mães carentes de Solidão,  e tem um único obgetivo distribuir leite as  mães, as gestantes e as pessoas idosas. A entidade recebe o leite do governo de PE  e distribui 4 litros de leite por pessoa duas vezes por semana, ainda segundo Dalva são cadastradas 300 pessoas na  associação, e como a  entidade  não tem sede própria ainda, e não tem recursos para  alugar uma casa, a saída foi recorre a prefeita  quando ainda fazia parte do seu grupo político, Dalva pediu uma casa e a prefeita  não fez questão de doar, mas como recentemente Diomesio que é ex prefeito de Solidão e Dalva sua esposa é a atual vice prefeita e resolveram  aderi ao grupo politico de Genivaldo Soares  a prefeita pediu a casa de volta  atravéz de oficio e assim está prejudicando as  famílias carentes. Dalva  adiantou que mesmo sem  ter a sede o leite vai fica sendo distribuído na sua residencia até  que se  encontre outra sede. Dalva  fez questão de frisar que tudo isso só está acontecendo porque ela não faz mas parte do seu grupo político. (Quem pergunta quer saber até quando o povo menos favorecido  vai pagar por brigas de políticos.?)      
OFICÍO


quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Preso suspeito de ordenar espancamento de jovem que teve cabelos arrancados na Grande JP

Mulher tenta cortar cabelo com faca

Mulher tenta cortar cabelo com faca
Foi preso na manhã desta terça-feira (27) um jovem apontado como sendo um dos suspeitos de ordenar o espancamento de uma jovem, na cidade de Cabedelo, na Grande João Pessoa. As imagens da agressão foram gravadas no bairro Camboinha III e divulgadas no dia 15 de janeiro deste ano nas redes sociais.
De acordo com o major Pablo Cunha, comandante da PM da cidade, os policiais militares já estavam investigando o crime e conseguiram localizar e prender o suspeito quando ele chegava em casa. A identidade do detido não foi divulgada.
O delegado Ademir Fernandes, que apura o caso, não quis prestar esclarecimento, mas afirmou que as diligências continuam para prender outros envolvidos no espancamento. Ela adiantou que uma entrevista coletiva será realizada na quarta-feira (28), na central de Polícia Civil de João Pessoa.

Segundo a Polícia Militar, as duas mulheres que aparecem no vídeo - que teria sido feito nesta semana - seriam ligadas a traficantes da comunidade. A cena de brutalidade foi gerada porque a jovem teria contribuído com autoridades policiais no combate ao tráfico, o que ocasionou a prisão de um suposto chefe do tráfico. Nas imagens é possível ouvir gritos de socorro da vítima dizendo: “não faz isso não, por favor! Eu não fiz por maldade não!”. O delegado titular da 7ª Delegacia Distrital, Ademir Fernandes está à frente das investigações.Correio da PB

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Rei da "sofrência", Pablo do arrocha afirma que nunca sofreu por amor


O cantor Pablo, a voz romântica, "criador" do arrocha e o rei da sofrência
Com quase 15 anos de carreira, dez discos e quatro DVDs lançados, o cantor Pablo, 29 anos, tem seus hits cantados por fãs apaixonados em todo o Norte e Nordeste do Brasil. Por lá, ele é conhecido por títulos como "criador do arrocha", "rei da sofrência" e, o mais sublime de todos, "a voz romântica". O que não chega a ser exagero: as letras de suas músicas falam de desilusões amorosas, traições e amores impossíveis.
"Sofrência na Bahia é uma coisa gostosa", diz o cantor, por telefone, ao UOL. "É aquela sensação de dor de cotovelo, de quem perdeu o amor, mas quer reconquistá-lo. Sofrência é a sensação de estar apaixonado", explica. "Todo o mundo vai viver a sofrência algum dia, quer queira ou não. A sofrência nunca acaba. É a dor da paixão proibida. Ela faz parte do cotidiano de todo o mundo."
O rei da sofrência, ironicamente, garante que nunca sofreu por amor, já que tudo em sua vida foi conquistado muito cedo. "Comecei a cantar seresta aos seis anos com meu pai em barzinhos na cidade de Candeias (a 45 km de Salvador). Com 15 anos eu me casei e estou com a mesma mulher até hoje. Tenho dois filhos e, antes dos 18 anos, já tinha comprado meu próprio apartamento", lembra.
O cantor explica, ainda, o que é o arrocha, o outro estilo musical que o tornou conhecido. Segundo ele, é uma seresta "com um pouco mais de suingue". A expressão, segundo ele, surgiu porque, durante os shows, ele gritava "arrocha!" para os casais que dançavam coladinhos músicas como "Pecado de Amor", "Baby", "A Casa ao Lado", "Quase me Chamou de Amor", " Fui Fiel", " Malhado e Gostoso" e "Homem Não Chora".
Embora o sucesso de Pablo seja indiscutível, já que é capaz de arrastar multidões e, não raro, arrancar lágrimas das fãs, o cantor ainda não é tão famoso no Sul e no Sudeste do país. É claro que tem fãs nessas regiões, mas seus shows ainda estão restritos a locais dedicados ao gênero, tais como o Centro de Tradições Nordestinas e casas de show como o Wood's e o Villa Country, na capital paulista.
O desconhecimento do cantor, no entanto, não o impede de sonhar alto e de fazer planos para uma futura carreira internacional. "Já conquistei um espaço grande no mercado. Quero tentar a carreira no exterior, nos Estados Unidos. Mas antes vou terminar de conquistar o Brasil", disse.
Para Pablo, tudo tem a hora certa de acontecer. "Sou agradecido a Deus pela carreira que tenho", afirma. "Antes, meu cachê era de R$ 50. Hoje meu show custa R$ 200 mil. Tenho uma megaestrutura, com dois ônibus, carreta e caminhão", revelou.
Outra característica de Pablo é a sua vaidade. A conversa com o UOL, por exemplo, ocorreu minutos depois de o músico sair de uma clínica de estética. "Vou muito para a academia. Sou vaidoso. Cuido do meu cabelo e uso maquiagem", diz. As roupas também são cuidadosamente escolhidas, e o visual é inspirado em Zezé Di Camargo, ídolo do cantor. 
Ultimamente, Pablo tem feito 35 shows por mês. Até março, no entanto, ele fará apenas um show no Sudeste, em Uberlândia (MG). Todos os outros serão no Nordeste. No Carnaval da Bahia, Pablo vai comandar pelo quinto ano consecutivo um trio elétrico que contará com diversos convidados, entre eles o Luciano, irmão de Zezé.
Entre os amigos famosos que já cantaram com Pablo, estão Ivete Sangalo, Chiclete com Banana, Daniela Mercury, Asa de Águia, Jammil, Claudia Leitte, Tattau do Araketu, entre outros. No palco, o tratamento que recebe é de celebridade. Tanto que já perdeu a conta de quantas calcinhas e sutiãs já foram jogadas para ele.
Se por um lado o sucesso nacional ainda não chegou, Pablo pode, pelo menos, gabar-se de ter popularizado o termo arrocha. O ritmo já caiu tanto no gosto do povo que, em alguns lugares, o arrocha se misturou com o sertanejo, tornando-se o "arrochanejo".
UOL

Você sabia que a música mais tocada no Brasil, "Parabéns a Você" é cantada errado?

Bertha Celeste Homem de Mello, compositora de "Parabéns a Você"
No barzinho, o cantor interrompe o show para puxar um animado "Parabéns a Você", a pedido do grupo de fregueses que foi beber cerveja para celebrar o aniversário de um amigo. Cada vez que isso é registrado pelo Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição), a herdeira de Bertha Celeste Homem de Mello, morta em 1999, aos 97 anos, recebe os direitos autorais. Em 2014, não foi diferente. A tradicional canção foi a obra mais executada em estabelecimentos com música ao vivo, de acordo com dados do órgão. 
No entanto, Bertha nunca ficou feliz com a forma que os brasileiros cantam os versos da música. "Minha avó ficava brava quando cantavam a música errado. É 'parabéns a você' e não 'pra você' e 'muita felicidade' e não 'muitas felicidades'", explica Eliana. "Minha avó dizia que a felicidade é uma só. Não há plural. Mas a música ganhou vida própria", diz a neta da autora, Eliana Homem de Mello Prado, 54.
O valor arrecadado com a música de aniversário, no entanto, não é alto. Embora não revele quanto ganha, Eliana diz que o dinheiro é todo usado para custear o tratamento de saúde de sua mãe, Lorice, 84 anos, filha de Bertha. Eliana é dona de uma loja de perfumaria e cosméticos em Jacareí, no Vale do Paraíba (SP). "É impossível ir a qualquer aniversário e não me lembrar da minha avó. É sempre emocionante".
Como a canção "Parabéns a Você" tem autoria registrada, cada vez que ela é executada publicamente, os direitos autorais têm de ser pagos ao Ecad, que repassa parte do valor ao compositor. Dentro de casa, em uma festa particular, a quantia não precisa ser recolhida. Mas é muito comum a música ser tocada em barzinhos, desbancando clássicos da voz e violão como "Se", de Djavan (9º lugar) e "Garota de Ipanema", de Tom Jobim e Vinícius de Moraes (12º lugar). 

A versão original da música, "Happy Birthday to You", foi composta em 1875 nos Estados Unidos pelas irmãs Mildred e Patrícia Hill, de Louisville, no Estado do Kentucky. Em 1942, um apresentador da Rádio Tupi, do Rio de Janeiro, promoveu um concurso para escolher a melhor letra em português para a canção. Bertha, que morava em Pindamonhangaba (a 145 km da capital paulista) e usou o pseudônimo Léa Magalhães, ganhou entre 5 mil inscritos. Lorice recebe 16,66% de tudo que é arrecadado. O restante é dividido entre a editora da música, Warner Chappel, e as herdeiras das autoras americanas.
Cantar o "Parabéns a Você" na televisão não é um bom negócio para artistas, apresentadores ou executivos das emissoras, já que o valor a ser pago ao Ecad depende do tamanho da audiência. Portanto, para arrecadar esse valor, é comum entre artistas cantar a sua própria versão da música de aniversário. E são inúmeros os casos. Xuxa ("Parabéns da Xuxa"), Angélica ("Parabéns da Angélica"), Beatles ("Birthday"), Stevie Wonder ("Happy Birthday"), Elvis ("Happy Birthday Song"), Madonna ("B-Day Song"), Katy Perry ("Birthday"), apenas para citar alguns artistas de diversas áreas e estilos diferentes.
É claro que, para Eliana, a versão favorita é a composta por sua avó. Fora essa, a outra versão de que mais gosta é uma católica, entoada todo domingo na missa das crianças na paróquia de Jacareí. "Parabéns a você, é a minha alma que diz. Deus te ampare e proteja e te faça feliz. Que Jesus lá do céu não esqueça de ti. E que no próximo ano estejamos aqui", dizem os versos, que, segundo a neta da compositora, foram criados por um padre da cidade há muitos anos.
"Minha avó sempre se emocionava quando ouvia 'Parabéns a Você'. Ela ficou especialmente sentida quando ouviu a versão dela sendo cantada para o papa João Paulo 2º", lembra.
UOL e Diário do Sertão