segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Criança de 2 anos é internada com infestação de larvas na cabeça no Grande Recife

Hospital Tricentenário, em Olinda (Foto: Reprodução/Google Maps)
Uma menina, de 2 anos, está internada, desde o domingo (22), no Hospital Tricentenário, em Olinda, no Grande Recife, com uma infestação de larvas na cabeça. De acordo com o conselheiro tutelar Eurico Guedes, que acompanha a criança, a situação é um típico caso de negligência. A mãe, de 21, levou a filha ao médico por causa de piolhos, mas não fez o tratamento indicado em casa.
“É negligência, falta de cuidado, porque só levar a criança ao médico não quer dizer nada. Você precisa ir e cuidar em casa. Não adianta dizer que a culpa é do médico”, pontuou o conselheiro. Ele disse que esse é o terceiro caso do tipo em Olinda, este ano. “É revoltante”, completou.
A menina mora com a mãe em Jardim Atlântico, um bairro considerado de classe média. “Isso que é mais absurdo. É negligência pura. Você olhando a casa, limpa e arrumada, não imaginaria uma coisa dessas”, comentou Eurico.
Na casa, ainda mora a família do marido da mãe, que é presidiário, segundo o conselheiro. Foi a sogra da mãe que notou as larvas e levou a criança para o hospital no domingo (22).
Segundo o diretor técnico da unidade de saúde, João Veiga, as larvas foram causadas por uma infestação de piolhos. “Foram tiradas todas as larvas e fizemos uma limpeza no local. Ela está tomando antibiótico por causa das feridas e das larvas”, disse.
O médico informou ainda que não foi preciso levar a paciente para o bloco cirúrgico. A equipe vai começar uma medicação para acabar com a infestação de piolhos.
A menina é a caçula de duas irmãs. A outra, de três anos, mora com o pai. “O pai está com ela no hospital. Agora, ele vai ficar com as duas”, adiantou Eurico.
O Conselho Tutelar de Olinda afirmou que vai encaminhar o caso para o Ministério Público de Pernambuco e registrará um Boletim de Ocorrência na Delegacia de Peixinhos, no município, ainda na manhã desta segunda-feira (23). G1 PE

Ana Maria Braga ri de boatos sobre sua saúde: ‘Está tudo bem’


 Ana Maria Braga explica sua ausência do 'Mais Você': 'Está tudo bem. Não aconteceu nada' (Foto: reprodução)
Após tirar alguns dias de folga do “Mais Você”, Ana Maria Braga voltou à apresentação do programa nesta segunda-feira. Logo no início da atração, a apresentadora deu risadas da notícia de que teria se ausentado para cuidar de um câncer de pele.
“Eu estou muito bem. Não aconteceu nada. Pode dar close”, disse Ana Maria. “Nesse fim de semana teve uma festa. A gente foi dar uma descansada para ficar com a pele mais bonita, mais luminosa… De vez em quando precisa. Daí já me deram uma porção de coisas de presente”, completou a apresentadora.
Ana Maria Braga lutou contra um câncer de pele em 1991. Em 2001, a apresentadora descobriu um câncer na virilha e no reto. Ela passou por sessões de quimioterapia, ficou um mês afastada de seu programa e voltou para anunciar que estava curada. Em 2015, a apresentadora surpreendeu a todos ao contar que havia passado por uma cirurgia para a retirada de um tumor no pulmão esquerdo.
“Eu fiz a tomografia, fiquei enfiada na máquina e fizeram o exame de novo. O doutor falou ‘melhor ligar para o seu médico, achamos uma coisa pequena, de seis milímetros. É um início de tumor cancerígeno”, contou Ana Maria na ocasião. Ela passou pela cirurgia e não precisou de quimioterapia e nem radioterapia.

Brasil pode voltar ao mapa da fome da ONU, diz economista do Ibase


Corte nos programas sociais é uma das justificativas / Foto: Arnaldo Carvalho/JC Imamge
JC 
Estadão Conteúdo

Especialista em segurança alimentar, o economista Francisco Menezes, coordenador do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase) e consultor da ActionAid Brasil, explica por que o País pode estar prestes a voltar para o Mapa da Fome da ONU.
O Brasil deixou de figurar no mapa em 2014 - quando foi constatado que menos de 5% da população estava em situação de vulnerabilidade extrema. Um relatório entregue às Nações Unidas em julho e assinado por 40 ONGs que atuam no País, entre elas o Ibase e o ActionAid, foi quem primeiro fez o alerta sobre o aumento da fome. Ao avaliar as políticas usadas para alcançar as metas do milênio das Nações Unidas, o relatório revela que o risco se deve a uma combinação de fatores registrados desde 2015, como a alta do desemprego, o avanço da pobreza, o corte de beneficiários do Bolsa Família e o congelamento de gastos públicos.

Leia a seguir os principais trechos da entrevista:

O último dado disponível, de 2014, do IBGE, mostra que o País tinha 7 milhões de pessoas em situação de vulnerabilidade extrema, o que é menos de 5% da população. Por que vocês acreditam que este número aumentou?
Um dos objetivos do milênio da ONU é o fim da fome. Por isso nos debruçamos sobre a análise das políticas que estão sendo usadas nesse sentido, para produzir um relatório. A fome está muito associada à pobreza extrema e a situação do desemprego se agravou muito. Não só pelo fato de termos 14 milhões de desempregados, mas pelo fato de as populações mais pobres serem as mais prejudicadas. Além disso, o governo cortou R$ 1,1 milhão em benefícios do Bolsa Família, sob a alegação de irregularidades. Num quadro de desemprego, esse nível de redução agrava a situação social.

Mas vocês ainda não tem esse número?
Não, não temos. Os dados de renda, que são um bom indicativo, referentes a 2015, 2016 e início deste ano, deveriam ter sido divulgados em junho pelo IBGE. A divulgação foi adiada para outubro e, depois, para novembro. Então ainda não temos esses números. Mas estamos trabalhando com a ideia de que a situação piorou muito e é bastante grave entre as camadas mais pobres.
Em relação às políticas públicas adotadas para a redução da fome, o que a análise de vocês constatou?
Estive agora debruçado sobre a proposta de orçamento para 2018 e ela assusta bastante. Muitos cortes previstos têm um impacto direto no agravamento da situação de pobreza. Como exemplo, eu citaria a redução de 92% das verbas do programa de cisternas no semiárido e de 99% dos recursos voltados para a aquisição de alimentos da agricultura familiar para distribuição em áreas mais carentes. Nós somos observadores e temos que dizer: medidas como essas nos levam à situação de fome.

A retomada da campanha Natal Sem Fome, depois de dez anos, é um outro indicativo desse caminho?

Sim. O Daniel (de Souza, filho do sociólogo Herbert de Souza) tomou essa iniciativa com base em dados muito concretos. A Ação da Cidadania convive em comunidades muito pobres e acompanha a realidade do dia a dia, da vida das pessoas. Da mesma forma que em 2006 ele falou que ia parar com a campanha porque seria mais produtivo se dedicar a outras ações, ele agora resolve retomar. A campanha volta a se justificar: não porque vá resolver a situação, mas ela é simbólica, adverte e chama a atenção para a situação.

domingo, 22 de outubro de 2017

Ana Maria Braga passa por cirurgia para tratar câncer, diz colunista

A apresentadora Ana Maria Braga teria deixado temporariamente o comando do programa ‘Mais Você’, da Rede Globo, para tratar um câncer de pele. De acordo com o colunista Leo Dias, do jornal O Dia, ela fez cirurgia no rosto em um hospital de São Paulo e se recupera em um sítio em Sorocaba (SP).
A assessoria da apresentadora não confirma o procedimento e afirma que ela está de férias. Durante o período fora, Zeca Camargo e Patrícia Poeta assumem a apresentação do programa matinal.
Esta seria a segunda vez que Ana Maria Braga tem um câncer de pele. Em 1991, ela fez uma cirurgiae passou a usar as luvas, que virou uma de suas marcas registradas. Depois, ela teve um carcinoma no canal anal, e fez radioterapia. Já no ano passado, a apresentadora anunciou que tinha sido operada de um câncer de pulmão.