terça-feira, 30 de agosto de 2016

Pivô de separação entre William Bonner e Fátima Bernardes seria colega da Globo, diz colunista

O anúncio da separação de Fátima Bernardes e William Bonner caiu como uma bomba para o público, mas para a colunista do Portal R7, Fabíola Reipert, nos bastidores já se sabia que isso era só uma questão de tempo.
De acordo com a blogueira conhecida como “venenosa”, muita gente na Globo sabia que a situação do (ex) casal estava insustentável.
Em março deste ano, Fabíola publicou que a produção da apresentadora estava preocupada, pois ela ficou doente após uma briga com o marido e ficou uns dias sem fazer o programa.
Em 2012, já havia sinais de desgaste, conforme dito aqui, mas isso era assunto proibido na Globo e sempre negado pelo (ex) casal. Pouco antes de deixar o Jornal Nacional, Fátima foi à sala de um dos diretores para dizer que não aguentava mais fazer o telejornal ao lado de seu tenso marido.
Desde que começaram os rumores da crise, têm surgido comentários de que o pivô de tudo seria uma colega que trabalha na mesma emissora dos dois.
A proximidade de Bonner com essa mulher, que nem fica perto dele fisicamente (na hora do trabalho), serviu para acirrar mais ainda a desconfiança de Fátima. Não é de hoje que comentam isso nos corredores da Globo.
Outro motivo das brigas constantes do casal foi o alto faturamento de Fátima Bernardes, que passou a ganhar bem mais que Bonner (mais que o triplo) depois que saiu do jornalismo e foi para o comando do Encontro.
Além do salário ser maior, ela ganha também com publicidade. Isso deixou o Tio Sukita bastante incomodado.
Fonte: R7
Créditos: Fabíola Reipert

Produção de energia eólica cresce 55% no Brasil no primeiro semestre


Nordeste é a região com maior número de parques eólicos no País  / Heudes Regis/JC Imagem
Do JC

A produção de energia eólica avança no Brasil, cravando crescimento de 55% no primeiro semestre deste ano. Divulgados ontem, os dados são da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). No ranking dos dez maiores produtores do Brasil, o Nordeste tem sete Estados representados. O Rio Grande do Norte mantém a liderança e Pernambuco aparece em sexto lugar (veja arte). De hoje até a quinta-feira, o tema será discutido por players do setor no maior evento da América Latina, o “Brasil Windpower 2016 - Conferência & Exposição”, realizado no Rio de Janeiro. Representantes do governo de Pernambuco participam, interessados em mapear as oportunidades de investimentos para o Estado.
Os dados levantados pela CCEE mostram que nos primeiros seis meses do ano o desempenho das usinas em operação no Sistema Interligado Nacional (SIN) geraram 2.860 MW médios, enquanto em igual período de 2015 foram 1.842 MW médios.
Ao final do primeiro semestre, os 366 empreendimentos eólicos em operação no Sistema alcançaram 9.330 MW em capacidade instalada, ou seja, incremento de 50% frente aos números de junho do ano passado (6.211 MW), quando havia 244 projetos em funcionamento no País.
Os números do primeiro semestre consolidam a liderança do Rio Grande do Norte, que se mantém como principal produtor de energia eólica no Brasil. As usinas potiguares produziram 911 MW médios no período, representando um aumento de 40% em relação aos seis primeiros meses de 2015.
A análise aponta o estado da Bahia na segunda colocação com 599 MW médios (47,5%), seguido pelo Rio Grande do Sul, que alcançou 479 MW médios (66,6%), e o Ceará com 456 MW médios (25,7%) produzidos no primeiro semestre.
Pernambuco está em sexto lugar no ranking, com a produção de 107 MW médios. O Estado tem atualmente 28 empreendimentos de geração eólica em funcionamento, num total de geração de 595,3 MW.
No final do primeiro semestre, o governador Paulo Câmara acionou o início da operação de um dos maiores projetos do setor no Brasil: o Complexo Ventos de São Clemente, um investimento de R$ 1,2 bilhão da empresa Casa dos Ventos, empreendimento formado por oito parques eólicos e 126 aerogeradores, em Caetés, Venturosa, Pedra e Capoeiras. O complexo é capaz de abastecer 550 mil casas, o correspondente a 8% de todo o consumo pernambucano.
Interessado na atividade, o Estado participa do Brasil Windpower 2016, representado pelo secretário executivo de Energia, Pedro Cavalcanti. Na quinta-feira, o gestor fará palestra onde apresentará, durante workshop, os diferenciais pernambucanos para receber investimentos nesta área.
O Governo de Pernambuco também estará presente em rodadas de negócios. “A matriz eólica já representa quase 15% da geração pernambucana, o que mostra a atenção do governo com as energias renováveis. Temos empreendimentos em construção e um potencial bruto de 1.000 GW no setor, além de um polo industrial voltado à produção de equipamentos instalado em Suape”, destaca o secretário.
Nos últimos anos, as energia alternativas (sobretudo a eólica) vêm ganhando espaço na matriz energética brasileira. Pelos dados da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica) iniciou o mês de agosto com uma capacidade eólica instalada de 9,96 GW. A participação da eólica na matriz brasileira é hoje de 6,8%. A hidrelétrica continua sendo a principal fonte, com 61%, mas vem perdendo importância ao longo dos anos.
A produção de eólica vem crescendo mesmo com a redução da demanda por energia provocada pela crise econômica. A preocupação dos players do setor é com a continuidade dos investimentos que também movimenta a cadeia de equipamentos. O governo Federal vem adiando os leilões por falta de demanda. A redução do consumo, sobretudo na indústria, vem contribuindo para reduzir a geração no País, que atualmente está em 59.638 MW médios.
Além de ser uma energia limpa e de movimentar uma extensa cadeia produtiva, a geração eólica tem mudado o cenário do Semiárido Nordestino. Instaladas em regiões prejudicadas pela seca, a atividade está trazendo alternativa de renda para muitos produtores rurais. Em Pernambuco, produtores de sequeiro conseguem viver da nova renda, sem ser tão afetados pela estiagem, que se estende há 5 anos na região. Em algumas regiões do Rio Grande do Norte, a escassez na produção de caju foi salva pela renda da eólica.

Papa se reúne com Zuckerberg para debater combate a pobreza

29ago2016---papa-francisco-recebe-o-ceo-do-facebook-mark-zuckerberg-no-vaticano-eles-conversaram-sobre-o-uso-da-tecnologia-no-combate-a-pobreza-1472474164067_615x470
O papa Francisco recebeu nesta segunda-feira (29) o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, e sua mulher, Priscilla Chan, informou o porta-voz do Vaticano, Greg Burke. Segundo o representante da Santa Sé, os dois conversaram sobre tecnologia e combate à pobreza.
“Conversaram sobre como usar a tecnologia da comunicação para diminuir a pobreza, encorajar a cultura do encontro e levar uma mensagem de esperança, especialmente, às pessoas mais desfavorecidas”, complementou Burke.
Nos últimos seis meses, o pontífice recebeu diversos líderes do setor de tecnologia para debater formas de combater problemas sociais.
Ele já se reuniu com o CEO da Apple, Tim Cook, em janeiro deste ano, e com o CEO do Instagram, Kevin Systrom, em fevereiro.
Já Zuckerberg está na Itália desde ontem (28), quando foi à cidade de Como, para o casamento do fundador do Spotify, Daniel Ek e Sofia. Hoje, ele foi visto correndo em Roma, próximo ao Coliseu, e à tarde se encontrará com estudantes da Universidade Luiss.
G1
TwitteGoogleLinkedI

William Bonner e Fátima Bernardes anunciam separação através do Twitter


Jornalistas usaram seus perfis oficiais no Twitter para fazer o anúncio na noite desta segunda-feira (29) / Foto: Divulgação/ Internet

JC Online

Os jornalistas William Bonner e Fátima Bernardes, casados há 26 anos, anunciaram, na noite desta segunda-feira (29), através de suas contas oficiais no Twitter, que estão separados. Eles têm trigêmeos de 18 anos, duas meninas e um menino.
O âncora do Jornal Nacional e a apresentadora do Encontro com Fátima Bernardes, ambos programas da Rede Globo, fizeram publicações idênticas nas suas timelines informando a separação. "Em respeito aos amigos e fãs que conquistamos nos últimos 26 anos, decidimos comunicar que estamos nos separando", disseram em um primeiro post.
"Continuamos amigos, admiradores do trabalho um do outro e pais orgulhosos de três jovens incríveis", completaram, simultâneamente.
"É tudo o que temos a declarar sobre o assunto. Agradecemos a compreensão, o carinho e o respeito de sempre. William e Fátima", concluíram os apresentadores.

REPERCUSSÃO

Na mesma rede social, fãs do casal comentaram o término do relacionamento. "Que bonito ler esse respeito e carinho. Sejam felizes", afirmou uma internauta.
"Isso é triste, mas a vida é um eterno recomeço. Boa sorte", desejou outro seguidor do jornalista. "E agora como vamos acreditar no amor se o casal exemplo não está mais junto?", questionou uma internauta.